Case Study do Jardim de Infância dos Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa – SASUL

Este case study do jardim de infância vem relatar um problema existente, um desafio fornecido pelo cliente e uma solução apresentada pela Póstis.

Começemos pelo problema:

Problema:

O Jardim de Infância dos Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa apenas possui uma porta para as suas instalações. Essa porta de entrada é diariamente utilizada por funcionários, crianças e pelos pais das crianças, quando vão deixar e buscar os seus filhos. A porta estava sempre aberta, para facilitar a entrada e saída dos pais, isto porque caso esteja fechada, quando tocavam para abrir, todas as salas recebiam esse alerta e acabavam por ir diferentes funcionárias abrir a porta, dito isto é visível um problema grande de segurança. Isto acontecia por não se saber qual era a sala de destino do indivíduo que estava a querer entrar. Muitas vezes, devido a esse desgaste, nenhuma educadora abria a porta, na esperança que fosse outra abrir. Devido a esse problema, decidiram deixar a porta sempre aberta. É claro que esta decisão é bastante arriscada e inconsciente, devido a todos os riscos que carrega para a segurança de todas as crianças do jardim de infância, bem como de todos os colaboradores que lá trabalham.

Isto acontecia por não se saber qual era a sala de destino do indivíduo que estava a querer entrar. Muitas vezes, devido a esse desgaste, nenhuma educadora abria a porta, na esperança que fosse outra abrir. Devido a esse problema, decidiram deixar a porta sempre aberta. É claro que esta decisão é bastante arriscada e inconsciente, devido a todos os riscos que carrega para a segurança de todas as crianças do jardim de infância, bem como de todos os colaboradores que lá trabalham.

Desafio:

O desafio pedido pelo Jardim de Infância foi a existência de uma solução em que através da existência de um intercomunicador na porta de entrada, quando os pais fossem buscar os seus filhos, apenas tocasse na sala onde a criança estivesse nesse dia. Também seria necessário a entrada dos funcionários e de possíveis convidados, através de um código, por exemplo.

Solução:

Após várias propostas de diferentes empresas, a solução apresentada pela Póstis foi a escolhida.
A nossa solução foi realizada através da rede IP, com a instalação de um sistema do tipo vídeo porteiro na porta de entrada. Cada botão passou a ser direcionado para uma das salas de aula da creche. Em cada sala foi instalada um monitor que permite a abertura da porta de entrada e também visualizar quem está a pedir para entrar através da imagem de vídeo em direto, com imagens de alta qualidade. Deste modo é possível ver se são os pais ou se é um intruso que não tem acesso às instalações em questão. A comunicação existente entre a porta e as salas de aula é bidirecional por ser feita pela voz em ambos os sentidos, através do intercomunicador e do monitor instalados.
Deste modo, hoje em dia quem vai buscar as crianças à creche toca no botão da respetiva sala, a educadora vê quem é, fala com a pessoa e abre a porta remotamente. Isto tudo sem interferir com as outras salas. Em simultâneo, o sistema de vídeo porteiro permite a introdução de um pin para os funcionários, os quais podem entrar sem necessidade de tocar na campainha e interferirem no normal funcionamento da creche. Esses pins podem ser programados para o curto e longo prazo. Por exemplo, caso seja necessária uma equipa de limpeza ir no fim de semana fazer uma limpeza a fundo numa sala, é possível criar um pin que só permita a entrada num certo dia, dentro de umas horas previamente definidas. Esta solução aumentou o nível de segurança de todos os colaboradores do jardim de infância e principalmente das crianças e dos respetivos pais. Este é um exemplo onde a Póstis se destacou pela simplicidade de execução de uma solução adaptável à necessidade de um cliente.